Jacques Prieur

Gevrey Chambertin 1Er Cru “Les Fontenys” – 2017

2017

Valor

R$2.249,00

35 em estoque

-
+

Descrição

Na Borgonha há uma discussão se o Gevrey Chambertin 1er cru “Les Fontenys” deveria ou não fazer parte do vinhedo Grand Cru “Ruchottes-Chambertin”, porém ainda é um ponto sem definição. Mas o fato é que, fazendo parte ou não, a uva Pinot Noir desta que é uma das mais famosas vilas da Borgonha, é excepcional.

Este vinhedo está localizado entre a própria vila e a colina Gevrey-Chambertin Grand Cru, onde os climas Le Chambertin e Clos-de-Beze produzem alguns dos melhores vinhos da Borgonha, combinando uma quase impossível suculência, potência e elegância.

A família Prieur realiza a colheita manualmente em pequenas caixas, depois as uvas são separadas e os cachos completamente desengaçados. Segue-se a cuba durante 21 dias a temperatura controlada em cubas de madeira abertas com desmonte duas vezes por dia durante a fermentação alcoólica. O Gevrey Chambertin 1er Cru Les Fontenys é então envelhecido por 18 meses em barricas de carvalho, 30% novas.

O Gevrey Chambertin 1Er Cru “Les Fontenys” – 2017

Este lindo Gevrey-Chambertin 1er Cru Les Fontenys conta com uma cor vermelho rubi bastante intensa. O nariz é discreto e sutil com frutas pretas maduras e notas finas de alcaçuz e defumado, mas também com flores frescas, mostrando que provém de um grande terroir. Na boca é denso e poderoso, com uma cereja preta pronunciada, saboroso, com um final de taninos frescos, finos e picantes e grande persistência.

Produtor

Com uma historia iniciada em 1868, o Domaine Jacques Prieur criou um dos mais raros mosaicos de terroirs da Borgonha. É a única vinícola à possuir 21 hectares de vinhedos nas maiores apelações da Côte D’or sendo donos de vinhedos em quase um terço dos Grand Crus da Borgonha, como Montrachet, Chevalier-Montrachet, Corton-Charlemagne, Corton-Bressandes, Echézeaux, Clos Vougeot, Musigny, Chambertin e Chambertin Clos de Bèze.
Esse portfolio incrível é completado por mais 14 vinhedos Premiers Crus e dois icônicos monopólio, o Meursault Clos de Mazeray e Beaune Clos de La Feguine tanto em branco, quanto em tinto.

Desde a união do Domaine com a família Labruyere, foram adicionados 9 hectares que eram de propriedade da família e estes vinhos são rotulados como Labruyère-Prieur Sélection.

Os vinhedos, geridos pelo talentoso Daniel Godefroy, são cultivados com métodos sustentáveis, onde interferências humanas foram reduzidas drasticamente. O trabalho de solo substitui os tratamentos químicos e algumas tarefas respeitam o calendário lunar.
A vinificação é realizada pela talentosa Nadine Gublin, que está no grupo desde 1990 e é responsável pela direção técnica desde 2009. Nadine recebeu o título de Enólogo do Ano em 1998, concedido pela Revue du Vin de France.

Hoje, a família Labruyère, com o apoio dos herdeiros da família Prieur, levam essa jóia da Borgonha para o mundo, promovendo e defendendo, todos os dias, o divino terroir da terra sagrada.